Os tipos de empréstimo ideais para o seu caso

Os juros caíram e o acesso ao crédito está cada vez mais facilitado no país. Antes de assinar um contrato, porém, é importante conhecer as diferentes linhas de financiamento oferecidas pelos bancos. A escolha do tipo de empréstimo mais adequado para cada necessidade pode resultar em uma boa economia.

Os especialistas em finanças pessoais são unânimes em dizer que pedir empréstimo é uma atitude que só deve ser tomada em último caso. Apesar de os bancos terem promovido reduções nas taxas neste ano, elas ainda estão altas. O Brasil ainda está em quarto lugar no ranking dos maiores juros reais do mundo.

Mas, se houver mesmo necessidade, existem opções que podem pesar menos no bolso do que outras.

A queda da Selic teve forte impacto em alguns tipos de investimento no Brasil. Com a taxa básica de juros da economia em 7,25% ao ano, aplicações de renda fixa e em títulos públicos, por exemplo, perderam atratividade.

"Quando os juros estavam mais altos, era possível poupar por 10 ou 15 anos e conseguir acumular o montante necessário para comprar um imóvel à vista. A queda dos juros faz com que haja maior dificuldade para se guardar esse dinheiro", diz o professor de finanças do Insper Otto Nogami.

Numa situação assim, pedir empréstimo pode ser a solução mais adequada, afirma o professor. E, nesse caso, as linhas específicas de crédito imobiliário oferecidas pelos bancos são as mais adequadas, e muitas vezes a única opção.

Os bancos disponibilizam valores mais altos e cobram juros mais baixos nessas linhas porque o imóvel é dado como garantia. Se o consumidor não pagar, ele pode perder o bem.

O financiamento de imóvel também tem benefícios que outros empréstimos não têm, como o prazo alongado”, acrescenta o educador financeiro Conrado Navarro. Atualmente, os bancos chegam a oferecer financiamentos por prazos de até 35 anos.

Deixe uma resposta